BRZ20IMS-LOGO-INTERMODAL-NOVO-PORT

Um pouco sobre sistemas de inteligência artificial no transporte

 

Depois de anos com maus resultados e o acúmulo de prejuízos para diversas empresas, o setor do transporte está dando a volta por cima. Nesse cenário, amparado pela perspectiva do aumento do PIB em 2019, o investimento em sistemas de inteligência artificial estão avançando e se tornando cada vez mais importantes.

Ainda sim, o anseio de buscar soluções econômicas e capazes de potencializar o lucro são o objetivo de muitas transportadoras. Nesse caso, estruturar a logística de uma forma diferente e diminuir o custo total de operação são requisitos básicos e primordiais.


Inteligência no transporte pode fazer toda a diferença

inteligência no transporte já não é mais uma tendência para o futuro. O tema já está sendo discutido por muitos especialistas e se tornou realidade em muitas empresas.

E prova disso é que a Confederação Nacional do Transporte promoveu, no ano passado, um workshop na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. O tema era sistemas de inteligência artificial e o objetivo do evento foi discutir soluções e ideias para a gestão empresarial e o pensamento estratégico.

“Precisamos saber o que o setor está apto a fazer e o que não está, além de perceber se já há educação suficiente para incorporar novas tecnologias, se estamos compartilhando e trocando ideias, se temos capacidade de investimento e visão de longo prazo. O workshop marca o momento em que nós vamos começar a olhar o futuro desses fatores”, relatou o diretor da CNT na Alemanha, Thiago Ramos.

Amparado pelo questionamento de Ramos, o co-presidente do setor de inteligência artificial e robótica da Singularity, na Califórnia, alega que a tecnologia deve estar ainda mais presente no sistema de transporte mundial. “Precisamos esquecer os velhos conceitos das cidades e incluir a inteligência artificial e a robótica nos nossos treinamentos. Esse é o caminho que vem sendo adotado por vários governos”, garante.


Inteligência artificial: o que já está sendo feito

Diante de grandes gastos para contornar a ineficiente infraestrutura do transporte brasileiro, transportadoras e companhias já estão implementando diferentes soluções capazes reduzir esses custos e aumentar os lucros.

A rede Carrefour, por exemplo, implementou recentemente, na França, um sistema inteiramente voltado à inteligência artificial. A finalidade dessas ações é diminuir os índices de desperdício e otimizar o processo, tanto no transporte, como da organização dos estoques.

E para tais objetivos, a gigante francesa pretende investir 2 bilhões de euros. Apesar dessa realidade parecer um pouco distante, esse tipo de tecnologia já está presente no Brasil e é utilizado por algumas marcas.
Aplicações da inteligência artificial no transporte rodoviário
O transporte rodoviário é o mais utilizado no Brasil e possui grande importância para o país. Dessa forma, esse modal é muito visado para possíveis melhorias, tanto no processo do frete, como na questão logística.


A Gestran, por exemplo, investiu em tecnologias com o intuito de potencializar a relação entre a transportadora e o caminhoneiro. Para isso, a marca curitibana desenvolveu o Fretefy, uma espécie de Uber capaz de otimizar o tempo e oferecer um serviço mais eficiente ao cliente.

A plataforma, que relaciona motoristas autônomos disponíveis com empresas interessadas, foi criada com um custo de 2 milhões e já é utilizada por 13 transportadoras e 1,5 mil caminhoneiros.

A JSL Logística também é outra marca que está investindo pesado em inteligência artificial. A empresa implementou recentemente um sistema capaz de monitorar de forma remota e minuto a minutos os parâmetros na operação de cada caminhão.


Aplicações da inteligência artificial no transporte ferroviário

Com o intuito de aumentar a produtividade, o setor ferroviário também está recebendo investimentos. Nesse cenário, a Rumo é uma das principais expoentes em trazer os conceitos de internet das coisas e inteligência artificial para o modal.

A companhia criou um sistema que funciona a partir de milhares de sensores que enviam informações em tempo real para uma central de análise de dados. Assim, o trabalho se torna automático e essa tarefa é otimizada, já que anteriormente era realizada pelo maquinista.

E essa aplicação da inteligência artificial é extremamente funcional. Isso porque, nessa plataforma, é possível avaliar diversas variáveis: desde a temperatura da roda do trem até a sua capacidade de frenagem.

Outra empresa que buscou soluções nesse tipo de tecnologia foi a gigante Vale, que também administra ferrovias no território nacional. Com sensores estratégicos, o objetivo da mineradora é otimizar a manutenção de locomotivas e dos trilhos.

“O sistema cria modelos matemáticos que nos permitem identificar o nível de desgaste do rodeiro e prever como o processo de deterioração se dará nos próximos 30 dias. Isso reduz custo e melhora a segurança”, explica o gerente do setor de inteligência artificial da Vale.


Aplicações da inteligência artificial no transporte aéreo

Um grande problema do transporte aéreo e que gera milhares de insatisfações por parte dos clientes são as bagagens extraviadas. E como uma tentativa para evitar essas ocorrências, a Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata) colocou em prática uma campanha global com o objetivo de rastrear malas e evitar perdas.

Esse passo era vital para o lançamento da Resolução 753, que ocorreu em outubro de 2018. E para viabilizar todo esse processo, a inteligência artificial é muito importante, já que ela é a responsável por analisar e mapear as bagagens, possibilitando uma devolução rápida e eficiente.

Ainda existem muitos outros sistemas de inteligência artificial que podem fazer toda a diferença no país. As novidades e tendências são muitas e o objetivo geral é cada vez mais automatizar o transporte, reduzindo gastos e prejuízos e ampliando os lucros.

 

Fonte: Negócios em Transporte